Tecnologia

Edge vs. cloud computing: como essas tecnologias se relacionam?

5 de Novembro de 2020

por Marketing

Tempo de leitura: 8 min

Voltar

Para alguns, uma disputa de edge vs. cloud computing. Para outros, soma. Quem estará certo?

Edge computing: computação feita bem próxima ou onde os dados são gerados, sem transmissão para e de um ambiente cloud ou data center on-premise de volta para o dispositivo. Já a cloud, computação feita em grandes centros de processamento remotos, gerenciados por alguns poucos provedores de peso mundial.

Não precisamos falar muito para notar que a edge opera sob condições bem diferentes da cloud: ela coleta, processa e transmite dados em alta qualidade em tempo real e localmente, sob praticamente qualquer condição. Falamos de baixa latência e alta velocidade, de redução de volume de dados transferidos e de distância percorrida por eles e, consequentemente, da diminuição dos custos disso tudo.

Os conceitos se mostram diametralmente opostos. E para muitos, as vantagens reunidas pela edge parecem diminuir a imponência da cloud. Afinal, os milissegundos de lag da cloud podem significar tempo demais para um veículo autônomo, por exemplo.

Leia mais: Tecnologias em transporte last mile: tendências em modais

Mas será que a edge vai tomar, senão o posto, pelo menos parte do domínio da cloud? Será que se trata aqui de uma disputa por território e do domínio de um sobre o outro – pelo menos no que respeita à tecnologia em si e não a seus provedores?

Neste post, é essa pergunta que pretendemos responder. Para isso, vamos analisar o mercado de cloud computing e o de edge computing, entender o impacto deste sobre aquele e, por fim, as tendências em orquestração de ambos.

O mercado de cloud computing

A cloud dispensa apresentações. Trata-se de uma tecnologia cuja expansão vem se dando solidamente ao longo de dez anos.

Em particular, a cloud se mostrou fundamental durante a pandemia. E quem ainda resistia ou investia insuficientemente em uma migração para a cloud antes da crise causada pelo coronavírus, sentiu a falta.

infográfico jornada cloud computing

No mercado, a consequência se mostrou rápido, traduzindo-se em uma adoção agressiva da cloud, que representou, para os provedores, um aumento expressivo em ganhos. De acordo com a avaliação da Forrester, por provedor, o aumento foi de:

  • AWS: 29%
  • Microsoft Azure: 47%
  • Google Cloud: 43%.

A mesma consultoria prevê um aumento no mercado de cloud pública de 35% em 2021, ante uma previsão que era de 28% antes da pandemia. Isso mostra que o mercado é pujante e deverá se manter assim por algum tempo.

Agora, vejamos quais as previsões sobre o mercado de edge.

O mercado da edge computing

Se o volume de dispositivos conectados e o de dados gerados por eles cresce, a demanda por processamento também cresce. Só que nesta mesma medida diminui a eficiência da transmissão da informação.

É desse problema que surge a necessidade de um processamento distribuído, de uma edge computing. Do conceito de edge computing, nota-se também a expansão da tecnologia e o amadurecimento do mercado.

Segundo previsão da Forrester, 2021 será o ano em que a edge computing deixará de ser uma promessa para se tornar um valor real, na esteira da expansão do 5G, da competição das plataformas cloud e da inteligência artificial.

A Grand View Research estima um mercado de US$ 43,4 bilhões para a edge computing até 2027.

O que o crescimento da edge computing significa para a cloud computing?

Provavelmente, você já deverá ter ouvido que, diante da necessidade cada vez maior da computação descentralizada da edge computing, a cloud centralizada está fadada ao desaparecimento. Mas essa é uma realidade tão fantástica quanto remota.

Poderia ser assim se a edge viesse como uma substituta da cloud, como esta foi, por exemplo, em muitos casos para os data centers. Mas o que se nota, de fato, é que ambas cumprem funções específicas, distintas entre si.

Isso significa que a cloud poderá não ser a melhor solução para algumas aplicações, e vice-versa. Por exemplo, se a edge é ótima no processamento e análise rápida de dados, o ideal em aplicações sensíveis à latência, ela já não cumpre bem a necessidade de armazenamento ou de escalabilidade, como a cloud.

Isso mostra que os casos de uso de a cloud e a edge computing precisam ser claros. Isso ainda não está muito claro, mas, na suposta disputa entre as tecnologias, o mais provável é que ambas se complementem, numa arquitetura em que serviços edge ofereçam ainda mais valor quando bem combinados com cloud e até com os tradicionais data centers, e vice-versa.

Então, podemos concluir que o domínio será mútuo. É o que também mostra a Forrester: a expansão do mercado e de aplicações de edge computing vai dividir os domínios. Num primeiro momento isso vai implicar um declínio no crescimento do mercado de cloud para 24% ao ano em 2022.

Mas um declínio no crescimento não significará, de maneira alguma, que a cloud irá desaparecer, mas que ambas vão se complementar em abordagens híbridas.

Como obter o melhor dos dois mundos?

Cloud edge: em busca do melhor dos dois mundos

Para quem já adotou a cloud computing, o melhor dos dois mundos pode ser ampliar a cloud com edge computing, num formato cloud edge, ou seja, em uma arquitetura hospedada em micro-data centers. Isso será útil para aplicações sensíveis à letência, mas que precisam lidar com alto volume de dados. Aplicações não afetadas pela latência não se beneficiam da edge computing.

O fundamental é ser seletivo na combinação de edge com cloud computing e, sobretudo, se preparar para lidar com os problemas associados à edge, uma tecnologia emergente que ainda carece se boas práticas de gerenciamento, governança, segurança e integração. Não por acaso, no estudo How to Overcome Four Major Challenges in Edge Computing, a Gartner prevê que, até 2022, 50% das soluções em edge computing que funcionaram em POCs vão falhar ao serem escaladas. 

Então, reunir ferramentas de gestão de software que vão ajudar a organização a achar a justa medida entre o mix de arquitetura baseada em edge ou cloud, assim como uma equipe experiente, é o mínimo para começar.

Edge computing e cloud: arquitetura híbrida

Como vimos, o futuro não estará mais apenas na cloud, muito menos confinado dentro de um data center.

Com a edge computing, o processamento é colocado onde ele deve acontecer, dando um poder de computação enorme às organizações. Esse poder será crucial principalmente em aplicações que demandam baixa latência e respostas em tempo real, que vêm crescendo com os desenvolvimentos de IoT e IIoT, RA e RV, assim como IA etc.  

Toda essa discussão demonstra, acima de tudo, que a computação dentro do ambiente organizacional é heterogênea, não se limita a padrões simplistas, como uma possibilidade ou outra, de edge versus cloud computing.

Sendo uma tecnologia em expansão e amadurecimento, evidentemente a edge - e a combinação cloud edge - ainda não representa o mesmo nível de segurança de que dispõem outros tipos de infraestrutura, como a cloud, nem o mesmo nível de expertise dos profissionais.

Portanto, cabe atenção, tanto a fim de mapear reais oportunidades com a edge alinhadas aos objetivos de negócio quanto a fim de escolher os melhores parceiros para proporcionar os profissionais que a organização precisará. 

Nesses dois pontos você poderá contar com a Supero. Para saber como poderemos ajudar você, fale com um de nossos consultores sem compromisso.


Escrito por Marketing

Outras Postagens

Crie soluções personalizadas e integradaspara todas as áreas da sua empresa

Quero Saber mais

Fique Atualizado Assine nossa Newsletter

Oportunidades Participe dos melhores projetos!

Se você está em busca de um ambiente descontraído, cheio de oportunidades de crescimento e em constante evolução, confira as oportunidades!

Saiba Mais

Cadastro por interesse

Nosso time está pronto para entender o seu negócio e auxiliá-lo a encontrar a melhor solução.

Deixe seu melhor e-mail abaixo que entraremos em contato.

Indique este post para alguém...

Inscreva-se em nossa newsletter.