Gestão

Inovação: dá para sair da caixa na crise?

9 de Outubro de 2020

por Marketing

Tempo de leitura: 8 min

Voltar

Apesar de buscarem a estabilidade, empresas não podem mais se dar ao luxo de perder de vista a inovação na crise

A pandemia trouxe consigo muitas mudanças. Mas, apesar das vários oportunidades que essas mudanças possam ter gerado, a incerteza tem feito com que muitas organizações parem de olhar para o futuro e, consequentemente, para a inovação durante a crise.

Até certo ponto, elas têm razão. Até porque o trabalho não foi pouco. Quando não paralisadas, as operações tiveram que ser ajustadas a fim de proteger quem precisou continuar indo para a empresa ou então entrou em home office. No âmbito da gestão de pessoas, isso levou a novos modelos de trabalho, para o qual em muitos casos a infraestrutura precisou ser criada do zero. E, ainda, em termos de negócios e vendas, muitos viveram, junto com uma queda vertiginosa nos negócios, a necessidade de investir em novos canais, tanto para gerar demanda quanto para atender clientes.

Assim, justificativas não faltam para o conservadorismo quanto a investimentos em inovação. O declínio da busca por inovação nesse contexto, com exceção de setores como o de saúde e o farmacêutico, não distingue segmento nem porte da organização. Todo mundo foi impactado.

No entanto, como já diria Albert Einstein, a criatividade nasce da angústia e, portanto, é da crise que nascem as invenções, descobrimentos e grandes estratégias. Já, para Steve Jobs, nem crise precisava para ele produzir: para ele, a Apple estava sempre a 18 meses da falência.

Precisamos nos manter criativos quando tudo vai bem e, principalmente, quando tudo vai mal. Para algumas organizações, ademais, cujos serviços perderam a relevância com a crise, essa pode ser a única opção.

Mas como conciliar todos os impactos da pandemia com a inovação? É o que veremos neste post.

business agility webinar

Para isso, vamos desenhar, a partir de duas pesquisas, a percepção no Brasil e no mundo sobre a inovação durante a crise. Depois, vamos responder que tipo de atitude adotar diante de tais percepções. Por fim, vamos entender como conciliar a necessidade de encontrar a estabilidade com a de pivotar. Como bônus, fecharemos com uma seção sobre inovação em tempos de crise e de home office.

Percepção sobre inovação na crise, no Brasil

Segundo o ACE Innovation Survey 2020, 66,7% dos entrevistados afirmaram que suas empresas estão sendo impactadas negativamente pela pandemia. Por isso, destes, 55% estabeleceram metas financeiras mais conservadoras e 38,9% estão com projetos de longo prazo pausados.

Quando se trata de expansão, a pesquisa mostra que os projetos devem focar apenas em mudanças incrementais: ou para melhorar sua atividade principal ou para levar seus produtos a mercados adjacentes.

superocast - lean thinking

Poucos (27%) estão com algum tipo de projeto de inovação disruptivo, que coloque seu próprio negócio em risco e, nesse caso, ele é no mais das vezes de médio prazo.

Apesar disso, a mesma pesquisa mostra que a inovação é importante para 80% dos entrevistados, o que prova o quão necessária ela é para os executivos, mesmo em tempos de crise, para proporcionar crescimento.

Percepção sobre inovação na crise, no mundo

O quadro mundial não difere muito do brasileiro.

Segundo a McKinsey, 75% dos executivos acreditam que a pandemia oferece várias oportunidades de inovação, mas poucos se sentem preparados para persegui-las.

Vejamos os dados: apenas 21% acreditam ter a expertise, os recursos e o compromisso para crescer com sucesso nesse ambiente.

No mundo, como aqui, dizem o consultores da McKinsey, os executivos estão conservadores: eles estão preocupados em manter a continuidade de seus negócios principais. Para tal, vão ponderar custos, produtividade e medidas de segurança. Tudo isso, antes da inovação.

Não por acaso, os investimentos em inovação estão sofrendo, com queda de foco de 32 pontos percentuais em relação ao período pré-pandemia.

Inovação: agora mesmo ou melhor esperar?

No quadro brasileiro, desenhado pela ACE, a busca pela inovação está concentrada no médio prazo, com 74% dos respondentes indicando que têm projetos com essa perspectiva.

Na análise mundial da McKinsey, o cenário é o mesmo. A expectativa é retomar iniciativas em inovação assim que o mundo e seus negócios se estabilizem e que o nível de incerteza diminua. Ou seja, nada de inovação na crise.

Será que essa é a melhor resposta ao momento? Segundo a McKinsey, não. Entender as oportunidades atuais e gerar inovação significará criar vantagens a longo prazo e, logo, crescimento e performance pós-crise. Sobretudo para as organizações que não podem mais operar como operavam por terem perdido o sentido. Sua simples sobrevivência requer inovação. Para o crescimento, elas precisão de um pouco mais.

A consultoria cita, ainda, que organizações que conseguiram manter seu foco em inovação após a crise de 2009 emergiram mais fortes, superando numa margem de 30% o mercado durante os três a cinco anos seguintes.

No entanto, reconhece: inovar não é algo trivial nem em tempos normais e nem para companhias bem estabelecidas. Que dirá então da inovação em tempos de crise e, ainda, em organizações que não tem perfil inovador?

Roadmap para a inovação na crise

A McKinsey adota um roadmap para inovação em tempos de crise. Vejamos:

1. Aspirar

Tem a ver com a definição de um Norte ou um Moonshot, com a visão que norteia a organização.

Deve ser incluída nas metas de performance, do contrário todos buscarão apenas o seu número, achando que essa aspiração é trabalho de outra pessoa.

Então, é fundamental quantificar essa aspiração em termos de crescimento e inseri-la dentro do planejamento estratégico, para que se desdobre adequadamente em projetos inovadores por toda a organização.

2. Descobrir

Durante as crises, há pouca clareza sobre a forma que as coisas vão tomar quando começarem a se estabilizar. A atitude inovadora ideal nesse momento é, portanto, a de descoberta: do que importa para os clientes, de acordo com seu comportamento de consumo e gasto.

Isso não é função de uma única pessoa ou cargo, mas uma tarefa da organização. Olhar para os colaboradores pode ser crucial: 69% dos respondentes da pesquisa da ACE disseram que sua principal fonte de inovação está neles.

Para as grande organizações, é hora de olhar para além da inovação como a criação de novos produtos, mas em sua ligação a modelo de negócio. Natualmente, elas relutam nesse sentido até que estejam visivelmente ameaçadas.

3. Desdobrar

Aqui é preciso separar ruídos de verdadeiros sinais, ou seja, de descobrir o que provavelmente vai se sustentar depois da crise e o que a organização pode conquistar realizando essa hipótese.

Isso implica entender e avaliar que posição assumirá no mercado, que tipo de modelo de negócio gerará valor, que projetos vão validar suas hipóteses.  

4. Escolher

Momento de reconstruir o portfólio de inovação baseado nos achados anteriores. Esse é um grande desafio, sobretudo para grandes organizações, que não carecem de ideias mas de dificuldades de priorizá-las.

Criar certos limites, em termos de espaço que podem ser explorados, dará direcionamento, além de trazer à tona análises mais estratégicas.

Isso facilitará a realocação de recursos às melhores oportunidades com as melhores hipóteses.

5. Acelerar e escalar

Vimos fabricantes que produziam piso passaram a produzir máscaras e empresas de cosméticos fazendo álcool em gel, mas o que isso provou? Que elas são capazes de pivotar, se necessário, e muito rápido.

Os riscos são inerentes a esse processo, então é fundamental somar formas de lidar com ele. Além disso, elevar o nível de transparência e de governança, para que mecanismos da própria organização não impeçam a aceleração do projeto, mas se imponham na medida exata para que a inovação não leve a riscos desnecessários.

6. Estender e mobilizar

Por fim, unir-se a parceiros externos, a fim de reunir habilidades e talentos que a organização não dispõe, compartilhar custos e novas rotas de inovação, puxando o desenvolvimento do ecossistema originado pela inovação.

Trata-se de olhar para a inovação sob um ponto de vista mais sistêmico, dentro de uma estratégia maior de inovação.

Extra: inovação em tempos de crise e no home office

Qual o impacto do home office sobre a inovação? De acordo com entrevistas que CEOs serem ao The Wall Street Journal, eles acreditam que pode ser grande. A preocupação, segundo eles, é que a falta de interação e contato inerente ao modelo retomo acabe minando a habilidade de inovar das empresas.

De fato, vivemos uma fatiga de videoconferências. Pensar que a Próxima Grande Ideia venha de uma delas pode ser otimismo demais. No entanto, se grandes ideias já vieram de garagens e de conversas despretensiosas em um café, por que não?

Não faltam exemplos disso em organizações que têm colaboradores remotos em diversas parte do mundo, diferentes fuso-horários e línguas. Elas fazem do limão uma limonada, aproveitando as vantagens logísticas, explorando as ferramentas de que dispõem e novas, e criando mecanismos para manter o foco.

O planejamento inclui preparar uma pauta para a reunião para enviar a todos os participantes junto com outros materiais para leitura; limitar o número de participantes e o tempo de reunião; solicitar que todos fechem seu e-mail e deixem seu celular a distância; usar quadros compartilhados; e ao final fazer um fechamento retomando ponto a ponto o que foi discutido e o que deverá ser feito pós-reunião etc.

Inovação em tempos de crise enquanto se constrói estabilidade

Como vimos a partir das duas pesquisas, apesar de os executivos terem adotado – com certa razão – uma atitude conservadora em relação à inovação durante a pandemia, será fundamental, tanto para se manterem relevantes quanto para crescerem, pivotar por meio da inovação.

Claramente, um equilíbrio precisará ser mantido, a fim de não expôr a organização a riscos desnecessários.

E você, seus esforços atuais têm incluído a inovação?

Para receber conteúdos como este em sua caixa de entrada, assine a nossa newsletter.

assinar newsletter Supero

Escrito por Marketing

Outras Postagens

Crie soluções personalizadas e integradaspara todas as áreas da sua empresa

Quero Saber mais

Fique Atualizado Assine nossa Newsletter

Oportunidades Participe dos melhores projetos!

Se você está em busca de um ambiente descontraído, cheio de oportunidades de crescimento e em constante evolução, confira as oportunidades!

Saiba Mais

Cadastro por interesse

Nosso time está pronto para entender o seu negócio e auxiliá-lo a encontrar a melhor solução.

Deixe seu melhor e-mail abaixo que entraremos em contato.

Indique este post para alguém...

Inscreva-se em nossa newsletter.